Pesquisar neste blogue

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

O dia dos namorados




Mais um ano em que passo este dia de igual forma que passo os outros, e em que estou solteira.

A única diferença é que a minha irmã começou a falar comigo sobre rapazes e namorados, e começou a  fazer-me falar de coisas que eu nunca falo com ninguém, e muito menos com ela.
Não sou muito de falar de rapazes com ela. De lhe contar os meus dramas amorosos. Mas parece que ontem foi uma excepção.
Pelos vistos, ela começa a ficar cansada de me ver solteira (isto de ser a única solteira na família também não é nada fácil, acreditem em mim!) e como tia, e começa a incentivar-me a lutar pela pessoa de quem gosto, e a enfrentar o meu querido paizinho. Também disse que estou a ficar velha (tenho 19 anos, bolas!) e que depois ninguém em quer. Acrescentou ainda que estou na idade de viver as coisas no momento, e não deixar para amanhã.

Oh mana, tu quando queres és um amor, mas o nosso pai não ajuda em nada para que eu deixe de ser solteira.
Se ele não fosse assim, se fosse mais liberal e aceitá-se mais o facto de que sou rapariga, de que gosto de rapazes, e de que preciso de namorar, certamente não tinha feito metade dos disparates que fiz, e se calhar nem solteira estaria neste momento.
Mas não tenho uma vida amorosa facilitada, e se ela, já por ela, é complicada, com um pai a fechar-me em caixas de vidra não ajuda em nada!

Espero que tenham namorado muito, dado muitos beijinhos, jantado à luz das velas, e tenham terminado a noite nos amassos.

Eu cá vi o novo episódio de PLL, estive a montar o puzzle do meu sobrinho (que, por sinal, terminei à pouco e que fiquei assim a saber que lhe falta uma peça), li, vi TV e passei horas sentada à frente do PC.
Um dia perfeitamente normal.

Aguardo pelo dia em que o meu Dia de São Valentim seja especial.


*Sheila

1 comentário:

Joana Amaral disse...

Os pais gostam de complicar a vida aos filhos xD
Mas acredita mais em ti, acredita mais que o teu pai vai acabar por aceitar o que és e de quem gostas, a tua vida pode depender monetariamente do teu pai, mas o resto não, o resto depende de ti!
As vezes fazemos dos pais uns dinossauros, mas nós crescemos e eles acabam por compreender isso, eu também era assim, sabia que o meu pai era rígido e por vezes os meus amigos saiam à noite e eu nem se quer me atrevia em pedir porque sabia que ia dizer que não.
Mas eu cresci, e ele cresceu comigo, começou a aceitar que já não era uma menina indefesa, que ia começar a querer ser mais eu, a ser independente e a querer ter uma vida minha.
E a tua irmã tem toda a razão, estás na idade de curtir a vida, de namorar, de crescer da adolescente para o pré adulto. O teu pai vai acabar por aceitar as escolhas que vais fazer para ti. Os pais gostam de proteger as filhas porque tem medo "que se partam" e para eles são sempre as suas meninas. Mas sejamos quem formos eles amam-nos na mesma e aceitam-nos, mesmo que não o demonstrem ou digam.
:) Kiss*