Pesquisar neste blogue

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Fim-de-semana a morrer de tédio

Pois bem, este foi o primeiro fim-de-semana deste 2º semestre que passei cá em Castelo Branco. Inicio de semestre, logo, não há nada para fazer. A maioria das pessoas também foi a casa e eu acabei por ficar cá sozinha, fechada no quarto, a deprimir.
Ontem vi 3 filmes (Frozen, Espelho, espelho meu e Os estagiários). Hoje foi a vez de algumas curtas e dos O corpo de JenniferNa sua pele. A juntar a isto existiu uma preocupação: atraso menstrual. Podia ser assustador se tivesse andado a fazer coisas que me pudessem colocar grávida, mas como não foi o caso era a mera preocupação de "mas que raio se passa para isto estar atrasado?". Provavelmente a razão foi dos dois antibióticos seguidos que tive que tomar. Sim, estive doente. Cheia de febre. Uma febre que teimava a não ir embora e que me deu muitas noites mal dormidas, mas, felizmente, já passou, e espero tão cedo não voltar a saber o que isso é.
Amanhã será mais um dia que, provavelmente, passarei a ver filmes. Às segunda não tenho aulas, por isso amanhã espera-me mais um dia sem nada para fazer!

Para compensar isto tudo, provavelmente terei uma semana de somente apresentações (espero eu) e o próximo fim-de-semana será diferente, especial. Um fim-de-semana passado a dois. Há algo melhor?
As saudades já são muitas, estamos há demasiado tempo separados, e temos muito que recuperar e aproveitar. Quero aproveitar cada bocadinho, cada estante. Será especial por ser o primeiro, não só o primeiro de nós dois juntos, mas também por ser o meu primeiro fim-de-semana a dois.

Confesso que já está ansiosa e um bocadinho nervosa. Desejem-me sorte!


M.

sábado, 22 de fevereiro de 2014

Eu gosto de...



  • Livros! 

Quase um vício, quase uma essência!  Algo que gosto de sentir nas mãos, de cheirar, de adquirir! Não há nada como andar com um livro atrás, ver um sobre a mesinha de cabeceira. Para quem gosta de ler, nenhuma tecnologia substitui este prazer.



  • Cadernos/Blocos de notas. 

Há tantos e tão giros... De vários aspectos, tamanhos, preços e formatos. E para quem gosta de escrever e de apontar tudo, tem que andar sempre com um atrás. Por mais tecnologias que inventem para nos facilitarem a vida, não há nada como o papel.





  • Caixas
Para quem gosta de guardar recordações, e tem uma séria dificuldade em se desfazer das coisas, como eu, tem que ter onde guardar as coisas. E se for de uma forma organizada, melhor. E as caixas, e caixinhas servem para isso mesmo!



  • Peluches
Eles são fofinhos e super giros, e quando se dorme sozinho é sempre uma boa companhia.




  • Bonecas de porcelana
Confesso que já gostei mais, mas é algo que me faz lembrar a minha infância. Eu dei cabos de caso todas as que tinha, porque a minha mãe disse para as lavar, e eu agarrei nelas e enfiei-as na banheira. Desastre total, como podem imaginar. Poucas sobreviveram. E havia algumas tão giras...




  • Globos de neve
Adorava estas coisinhas! Mas alguém em fez perder, um bocado, o encanto por elas. Mas, mesmo assim, continuo a gostar bastante de globos de neve, estas bolinhas que me fazem viajar para a fantasia.





  • Música
Faz-nos ficar tristes, faz-nos ficar enérgicos, faz-nos companhia, faz-nos recordar, faz-nos sonhar, faz-nos sentir... É algo mágico, inexplicável e adorável!



  • Dançar
Sozinha, ou com companhia. Em público só com pessoas que sejam tão malucas quanto eu!
Adorava saber dançar decentemente, aprender danças de salão, mas sou como a maioria dos mortais que apenas sabe abanar o corpo ao ritmo da música.
E as festas da minha família nunca seriam a mesma coisa se não houvesse música. A música anima qualquer espaço, qualquer festa. E como é agradável juntar uma família de malucos numa pista de dança... Ou uma simples dança a dois.


  • Telemóvel
Quem é que hoje em dia vive sem telemóvel? Eu não. Faz-me muita falta, e dá-me muito jeito.




  • PC
Para navegar na internet, para comunicar, para entreter. Andar pelas redes sociais, escrever no blogue, ver filmes e series, pesquisar, ouvir música, ler... Matar o tempo naqueles dias mortos sem nada para fazer.




  • Mochos, gatos, cães, pandas, corujas,...
Gosto de animais. Já tive 2 cães, 3 gatos, uma coruja a sobrevoar o sótão, mochos a fazerem-me ninhos no telhado, e os pandas são tão giros e fofos... Dão vontade de abraçar!
E os mochos é aquele símbolo especial. Símbolo de sabedoria, de cultura, de gostar de ler...


  • Agendas
Comecei a comprá-las por necessidade, para a escola, para marcar os trabalhos e testes, e depois tornei aquilo essencial! Ajuda-me a organizar o dia, o tempo, a não me esquecer das coisas, e a mais tarde recordar coisas passadas. 
E deixo-vos a imagem da primeira agenda que tive que realmente teve uso, e que mais gostei. Nunca mais encontrei uma como ela... Mas continuo à procura.



  • Barcos em miniatura
É algo giro de ver em cima dos móveis. Deram-me um ou outro quando era pequena, e gosto de ver. O trabalho que não deve dar fazer aquilo... A paciência, a delicadeza, a dedicação...






E assim ficaram a conhecer mais um pouquinho de mim. Há mais coisas, algumas que neste momento nem me estou a recordar, mas são coisas menos relevantes.

Esta foi a minha tentativa de voltar ao que era o blogue. Estava a tornar-se muito "comentário sobre livros". Mas tenho andado sem vontade para escrever. Ou, pelo menos, sem vontade de escrever e partilhar, porque a escrever continuo, mas só para mim.
Também não tenho andado com uma vida propriamente animada, que dê vontade para partilhar.
Mas vamos ver se as coisas mudam, e se isto volta ao que era.


M.



sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

2 anos!


Fez este mês 2 anos que criei este blogue. Deixar um que adorava, para recomeçar do zero. Um passado triste e amargo que me fez desistir de coisas que gostava e recomeçar!
Hoje, após 2 anos, está de novo na altura de começar. Não recomeçar do zero, como anteriormente, mas alterar algumas coisas.

O antigo cabeçalho tinha uma razão de ser, um significado, algo que agora já não me diz nada e que não fazia sentido que aqui continuasse.
Assim sendo pus mãos à obra e comecei a procurar imagens e ideias. Queria algo simples. E há alguma coisa mais simples que o branco e preto? E o gato não é super fofo?


Espero que gostem deste novo visual tanto quanto eu.

Preservar a simplicidade!



M.

As coisas acontecem, não se explicam

Dizem que quanto mais procurámos, menos encontrámos. Começo a achar que é verdade...


Andava desanimada, triste, desiludida. Mais uma vez a felicidade tinha sido apenas momentânea. Tinha findado. Para quê manter esperança por algo que parecia que nunca iria acontecer?
Cara metade? Mas o que é isso? Nem toda a gente tem que ter a sua alma gémea.


Não sei se encontrei ou não a minha, a flor ainda agora nasceu, ainda tem muito para crescer e desabrochar, mas que o Sol bilha, brilha. Cai chuva, a tempestade quer surgir, mas o calor é esconde o frio. E este calor é tão bom...
É bom sentir o Sol a brilhar intensamente, mesmo quando está oculto pelas nuvens.
Como é bom ver que a esperança esconde-se, mas reaparece.
Como é bom ver que, um dia, ainda posso descobrir que o fim da felicidade está longe.

É tão bom sonhar, ansiar por algo, desejar, querer, gostar... É bom voltar a sentir o medo de amar, o medo de perder, ...
O futuro é sempre tão incerto, para quê pensar nele quando estamos a ter um presente tão bom? Voltar a encontrar prazer em coisas simples como um beijo, uma mão dada, um toque, um gesto, uma atitude, uma palavra...


Não há nada melhor na vida que tropeçar em algo que nos faz feliz, e arriscar para fazer aumentar essa felicidade. E acreditem, estou a gostar bastante deste tropeçam e diste risco.

Leituras de 2014 #4

Comprar AQUI
Emprestaram-me este livro, eu olhava para a capa e dizia "mas este livro não me dá vontade nenhuma de o ler! A capa não me atrai.", ao que em respondiam "Lê, vais gostar!".
Lá acreditei, e acabei por lhe dar uma oportunidade. E que óptima oportunidade! Foi devorado em 4 noites! Parar parecia algo que eu não sabia fazer de tão viciante e envolvente que é a história!
Muito bem escrito, sempre em mudanças, a história não pára. Estamos sempre com aquela enorme vontade de voltar a página, de saber o que vai acontecer na página seguinte.
As reviravoltas que esta história teve... as surpresas que nos foram presenteadas. Ainda por cima não se trata somente de um romance "vazio". É um livro que nos dá a conhecer a antiga Grécia, os Deuses, etc. Ler romances enquanto aprendemos história? Não podia ser melhor!
E aquelas descrições estão tão, mas tão bem feitas! Parece quase que as conseguimos viver. E é uma dedicação e entrega entre os protagonistas que nos faz suspirar...
Um livro digno de bolinha vermelha e nota para maiores de 16. Um livro que nos dá vontade de pegar nele e entregá-lo ao nosso companheiro dizendo "lê e aprende alguma coisa!".

Não sei se os livros seguintes desta saga são assim, mas se forem... Queria ser rica para comprar este e os restantes!


Citações:
"Sabes, eu até namorava, se encontrasse um homem por quem me desse ao trabalho de rapar as pernas."
"Porque não sou uma gata no cio, à espera que o próximo gato chegue, faça o seu serviço e parta."
"Ao fim de alguns pontapés, qualquer cão se torna uma fera."
"Não há poder celestial que possa obrigar um coração amar outro. O amor vem do próprio coração." 
 
 

Leituras de 2014 #3

Comprar AQUI
Diziam-me que eu ia gostar deste livro, e não se enganaram. O livro é realmente surpreendente!
É uma história que nos fascina, que nos envolve, que nos faz apaixonar. Que nos faz andar a tentar encaixar peças para tentar desvendar o mistério. Faz-nos viver intensamente a história, gostar de umas personagens, odiar outras.
Um livro repleto de magia, de bruxas, fadas, trolls, entre outros, mas também repleto da magia do amor!
Um livro que nos faz suspirar, e desejar sempre o final feliz que tanto ansiamos!
Um livro que alegrou bastante as minhas leituras.

(p.s.: Apesar de ser o segundo volume, entende-se bem a história, pois cada volume conta uma história diferente).




Citações:
"Alguma vez viveram um momento em que sentiram mais iguais a vós próprios do que nunca? Um momento em que eram e viriam a ser se unia numa explosão radiante de calor e de luz e se apercebiam de que eram felizes? O tipo de felicidade que sabiam que nunca seria duradoura mas cuja recordação bastaria para jos fazer viver os trinta ou quarenta anos seguintes?"
"Quem diria que vinte minutos podiam mudar a vida de uma mulher!"
"Amava-o o suficiente para o deixar partir." 

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Leituras 2014 #2

[01040335_Juntos_ao_Luar(RL).jpg]
Infelizmente, não encontro o livro à
venda online
Depois de ter visto o filme e de ter chorado baba e ranho, e depois de o ter revisto e revisto, fiquei com curiosidade de ler o livro. Será que o livro é capaz de me tocar tanto como o filme?
Um dia encontrei o livro em promoção. comprei-o por apenas 5€! Era a minha oportunidade de descobrir.
E o veredicto é que fiquei desiludida. Não me tocou tanto com o filme, e estive o livro todo à espera de mais. Desta vez, até cheguei mesmo a achar, por algumas alturas, a leitura um bocado maçadora. E apesar de saber o final, estava sempre à espera de que o livro revela-se algo diferente.
Não deixa de ser mais um bom livro, uma boa história do tão nosso conhecido Spark, mas eu estava à espera de mais...

Por isso, se tencionam ler o livro, NÃO vejam o filme antes. É um conselho. Caso contrário, pode acontecer-vos como aconteceu a mim.

Mas, sinceramente, acho que começo a ficar um bocado cansada deste autor. Estamos sempre à espera de um final feliz, de que eles fiquem juntos e, por vezes, isso não acontece. E neste livro, esse final desagradou-me.


Citações:
"Quando penso em ti, não consigo conter um sorriso, sabendo que tu dalguma forma me vieste completar."
"O Tim mostrou-me que o amor significa preocuparmo-nos mais com a felicidade da outra pessoa que com a nossa própria felicidade, por muito dolorosas que as opções com que nos deparemos sejam." 


(p.s.: A partir de agora, sempre que terminar uma leitura e vier aqui comentar, colocarei uma ou mais citações que tenha gostado)

M.